Veja as fotos impressionates do acidente que deixou 17 pessoas feridas em Rosário do Sul

O repórter Dariano Moraes de Alegrete esteve no local e registrou o trabalho das equipes de resgate

Neste domingo(10), por volta das 5h um ônibus de excursão com placas de Novo Hamburgo, que levava 17 pessoas, bateu em 4 búfalos que estavam soltos, no km 514 da BR 290, em Rosário do Sul. Após bater nos animais o ônibus saiu da pista e tombou num banhado, deixando 17 pessoas feridas. Os mais graves foram levados para atendimento em Rosário do Sul.

Conforme um dos ocupantes do veículo que foi acordado com o impacto da batida, eles conseguiram sair pela parte de cima do ônibus, eram na maioria casais que retornavam para Sapucaia do Sul depois de participarem de uma pescaria no Departamento de Esquina, na Província de Corrientes na Argentina.

As equipes dos Bombeiros, PRF e Samu de Alegrete, Rosário do Sul e Cacequi, trabalharam em conjunto para socorrer as vítimas e regular o trânsito. Sem sinal de telefonia, num lugar de difícil acesso, toda a ajuda de voluntários foi bem-vinda.

A retro escavadeira de uma propriedade, próxima, ajudou na remoção da lama, auxiliando os socorristas e Bombeiros que lutaram por mais de três horas, com lama na virilha, baldes e cordas para acessar o ônibus e retirar os dois motoristas que ficaram presos às ferragens.

O motorista reserva foi o primeiro a ser retirado das ferragens. O mais demorado e crítico foi a retirada do motorista que conduzia o ônibus, que além de ficar presos nas ferragens com lama até o queixo, os bombeiros não conseguiam acessar a parte inferior do carro e nem tinham visão de onde cortar as ferragens, sob pena de atingir as pernas do motorista.

O resgate, num local adverso, que até a própria retro teve de improvisar uma base com tronco de árvores para chegar mais próximos para escavar, exigir a formação de uma corrente humana, para que a maca fosse retirada.

Um dos momentos mais críticos foi quando o motorista apresentou insuficiência respiratória e hipotermia, devido a temperatura da água e lama e os socorristas tiveram de utilizar oxigênio para mantê-lo vivo.

Os animais foram comprados da família Amaral e tinham sido levados para uma propriedade distante porco mais de 01 km. Eles estavam cercados, mas, o instinto, os levou a romperem as barreiras e fugirem para o local de origem, motivando o acidente.

O proprietário dos animais, assumiu a responsabilidade pelos danos causados e todas as despesas decorrentes do acidentes.

Fotos: Face Repórter Alegrete- Dariano Moraes.

Grupo Aplateia