Brigada Militar aprende plantação de maconha em residência da Vila Marim

No local, policiais encontraram pelo menos cinco pés plantados em vasos. Segundo moradores a droga seria para consumo próprio

Nessa sexta-feira (27), policiais da Patrulha Escolar da Brigada Militar acabaram descobrindo uma plantação de maconha nos fundos de uma residência na Vila Marim, próximo ao Cerro do Registro. A Patrulha foi avisada por denúncia que pessoas dessa residência estariam cultivando pés de maconha em casa. Ao chegaram no local indicado, os policiais entraram no pátio através de um terreno baldio e identificaram as plantas em vasos de folhagem, em uma espécie de estufa.
Na sequência, os policiais bateram na porta da casa, saindo um homem que se identificou como proprietário da residência e acabou confessando aos PMs plantar maconha para consumo próprio.
No interior da casa, os policiais encontraram mais duas pessoas, um homem e uma mulher que alegaram ser usuários, eles também foram detidos. Foi realizada a retirada das plantas pelos PMs, sendo uma delas de considerado tamanho para consumo. As três pessoas que estavam na residência e mais os pés de maconha foram apreendidos e encaminhados para a Delegacia de Pronto Atendimento da Polícia Civil para mais esclarecimentos.
O que diz a lei sobre o cultivo de maconha em casa
É a lei 11.343 de 2006 que define o que acontece com quem é pego cultivando maconha. As penas são as mesmas aplicadas para quem apenas porta a erva; duras para quem trafica e bem mais brandas para quem produz para consumo próprio. A rigor, consumir maconha é crime no Brasil, apesar de as penas, nesses casos, serem leves. Quem planta maconha para consumo próprio pode ser punido com advertência sobre os efeitos das drogas, prestação de serviços à comunidade e exigência de comparecimento à programa ou curso educativo. Se a finalidade for tráfico, as penas podem ser reclusão (5 a 15 anos) e multa.

Grupo Aplateia