Pesquisadores conseguem burlar a segurança do Face ID do iPhone com óculos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Na última semana, pesquisadores da área de segurança demonstraram uma forma simples de burlar a identificação facial do iPhone com óculos modificados, superando facilmente o sistema biométrico. No entanto, segundo a equipe de pesquisa da Tencent, responsável pela ação, a técnica só funciona se os óculos forem colocados em uma pessoa inconsciente. A apresentação foi feita durante a conferência de segurança da Black Hat, nos Estados Unidos.

Aparentemente, para burlar o protocolo de segurança da Apple é necessário apenas colocar óculos modificados com um pedaço de fita nas lentes no rosto de uma pessoa desacordada. Fita preta com tiras menores brancas permitem o desbloqueio e o acesso ao iPhone da vítima.

A falha do sistema

O time de pesquisadores explicou que a sua técnica de desvio biométrico inclui o “hackeamento” de uma função de detecção de vivacidade do sistema, capaz de distinguir características humanas reais e falsas. O recurso monitora distorção de resposta, ruídos de fundo e desfoque.

O sistema do Face ID funciona de forma diferente ao detectar a presença de óculos, não extraindo as informações da região dos olhos. Caso a pessoa esteja consciente, o reconhecimento facial detectará isso e não desbloqueará o iPhone, então os óculos enganam esse recurso de atenção do dispositivo.

O objetivo da demonstração, segundo os pesquisadores, era apresentar as deficiências do sistema de segurança. De acordo com eles, “com o vazamento de dados biométricos e o aprimoramento da capacidade de fraudar a segurança, a detecção de vivacidade se tornou o calcanhar de Aquiles da autenticação biométrica”.

Essa não é a primeira vez que pesquisadores contornaram o Face ID da Apple para desbloqueio de iPhones. Em 2017, uma empresa de segurança do Vietnã divulgou imagens que mostravam o desbloqueio do sistema biométrico do iPhone X utilizando uma máscara.

Fonte TecMundo

Quebrando paradigmas – Eis a questão!

Sempre fui meio “fora da casinha”. Para os conservadores, uma disfuncionada precisando de ajuda psicológica; para outros, adiante do meu tempo. A história está aí