“Nós precisamos de uma renovação na ovinocultura”

Atual presidente da Cooperativa de Lã Tejupá , Galdino esteve em Santana do Livramento para conversar com ovinocultores e apresentar algumas propostas da sua candidatura da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos

Às vésperas de uma eleição que será realizada no mês de março e irá definir quem será o novo presidente da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos, o atual presidente da Cooperativa de Lã Tejupá , uma das mais importante do estado, José Galdino Dias esteve em Livramento para debater suas ideias como candidato ao cargo. Em um encontro que aconteceu na Casa da Ovelha no dia 11 na Associação Rural serviu para uma conversa franca com os criadores sobre a necessidade de mudança nesta cadeia produtiva.
Galdino esteve visitando a Rádio RCC FM onde participou do programa Boa Tarde Cidade e também a redação do Jornal A Plateia. E Segundo ele este é um momento que precisa de uma profunda mudança em um dos setores mais importante do nosso estado, que é a ovinocultura. “Vim a Livramento, a cidade que hoje é a Capital da Ovelha para apresentar minhas ideias ao produtores. Depois de 22 anos nós vamos ter uma eleição nessa importante entidade que é a ARCO e será uma eleição com dois candidatos então é importante a gente apresentar nossas propostas. Acho que existem muitas coisas para serem feitas e principalmente com ideias inovadoras por isso estamos colocando a nossa chapa a disposição” disse.
José Galdino Dias é natural de Bagé, médico veterinário por formação e inspetor técnico credenciado da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos há 29 anos, também foi coordenador do setor da ovinocultura no estado por 4 anos e atualmente é presidente de uma das maiores cooperativas de lã do Rio Grande do Sul a Cooperativa de Lã Tejupá.” A minha trajetória está basicamente ligada a este seguimento. Em todos em este anos como inspetor técnico estive muito próximo do produtor. Porque o inspetor trabalha “ Pra dentro da porteira” e quando ele passa para o outro lado como foi me caso , ele já vem com todas essas reivindicações sabendo o que o produtor necessita. Tudo isso somado me fez aceitar o convite para ser candidato a presidência de uma associação nacional que agora no dia 25 de março vai ter a sua eleição onde o associado ter a opção de escolher o melhor projeto.
Para o candidato é necessário que a entidade que é nacional trabalhe pensando na ovinocultura em nível de país fortalecendo essa cadeia produtiva. “Ela é uma entidade credenciada pelo ministério da agricultura para fazer a certificação dos animais e ela tem que trabalhar vinculada com as estaduais e nós entendemos que a ARCO hoje não está fazendo este trabalho. Porque nós não temos visto os resultados e a gente tem conversado com os presidentes dessas associações e temos notado uma vontade de mudança porque eles precisam da ARCO. Então nós precisamos de entidades estaduais fortes para que a gente possa desenvolver um trabalho nestes estados. Se nós trabalhamos junto com essas entidades fazendo os repasses necessários que a a ARCO deveria estar fazendo e não está. Nós teremos entidades fortes e poderemos desenvolver programas para um aumento do rebanho nacional”.
Segundo Galdino, é fundamental que a ARCO criei e desenvolva um plano especifico para a ovinocultura no estado, uma vez que a entidade foi criada no RS e a sua sede permanece em Bagé.” Nós queremos criar um setor dentro da entidade para repassar recursos destinados para o desenvolvimento e fomento da ovinocultura em nosso estado. Porque o nosso maior desafio hoje é a recuperação do quadro social da ARCO, porque uma entidade social forte tem que ter um quadro social forte. E o que nós temos visto nos últimos anos é o associado se retirando e assim perdendo arrecadação. Por isso essa é a nossa proposta número 1; a recuperação do quadro social” encerrou.

Grupo Aplateia