Mulher fica gravemente ferida após ser atingida com uma garrafa no rosto

Trabalhadora vendia cachorro quente na Avenida João Goulart na madrugada de domingo quando o fato aconteceu

Na madrugada deste domingo (13), por volta das 3h30min na Avenida João Goulart, BR, uma briga entre jovens acabou deixando uma trabalhadora gravemente ferida. Dione Becker Lopes vendia cachorro quente no seu trailer, como faz tradicionalmente, quando acabou sendo vítima de uma agressão.

Segundo ela contou para a reportagem, ela estava na sua camionete de lanches quando próximo dela iniciou uma briga. Uma garrafa veio na sua direção e atingiu o seu rosto, ocasionando um corte profundo e um ferimento no osso da face. Dione foi socorrida e levada para a Santa Casa. A trabalhadora conta que não viu quem teria arremessado a garrafa e que tudo aconteceu muito rápido.

Segundo uma narrativa de uma das filhas na Rede Social, Dione também já teria passado por uma tentativa de assalto enquanto trabalhava na Avenida João Goulart. Dione já está em casa, em repouso e terá que fazer acompanhamento médico por algum tempo devido o grave ferimento no rosto.

Abaixo você confere o depoimento de filha:

“Quem conhece minha mãe sabe que ela é uma baita guerreira e tá sempre em função, trabalhando na madrugada vendendo lanche, e tá certo, ela trabalha pra conquistar o dela e eu admiro muito ela. Mas sabe o que me incomoda? O perigo, maldade das pessoas, um ser humano não poder trabalhar em paz porque algum ser deplorável pode fazer algo contra ti. E foi o que aconteceu, jogaram uma garrafa na cabeça dela, enquanto ela fazia o trabalho dela, levou 4 pontos na cabeça, além de uma rachadura no crânio. O que aconteceu com quem fez isso? É libertinagem que o povo quer, sabe porque? Porque liberdade a gente quer pra trabalhar e ser feliz, não pra fazer merda e prejudicar quem não tem nada a ver com isso. Já quase assaltaram ela, e agora isso. Eu não tô nem ai pro que pensam, eu só quero um país mais justo, nem precisa ter pena de morte, desde que mutilem braços e pernas de quem cometer essas atrocidades! Eu não quero saber porque aconteceu, só quero que haja justiça nessa sociedade egoísta, ruim por natureza. Nem trabalhar com dignidade se pode. Quero que isso acabe nesse país e não me importo com quem acha diferente. Deixo aqui a minha indignação e tristeza por ver minha mãezinha nesse estado e não poder fazer nada!”

Fotos: redes sociais

Grupo Aplateia