Santana do Livramento recebe palestra sobre comportamento suicida

Alcoolismo, bipolaridade, uso de drogas e ambientes profissionais competitivos e estressantes podem influenciar na decisão de tentar tirar a própria vida

O comportamento suicida tem sido tema de diversos estudos na área médica, apontando resultados importantes para compreender a ação. Os dados mais recentes indicam que apesar dos homens cometerem mais suicídio do que as mulheres, há profissões nas quais o gênero feminino apresenta a mesma estatística ou até taxas superiores em relação ao gênero oposto.

Há também estudos que demonstram que o alcoolismo, o vício em drogas e a bipolaridade, além da depressão, são fatores que contribuem para a vontade de tirar a própria vida. Este é o tema da Caravana AMRIGS, que ocorre na sexta-feira (24/08), às 19h30min, em Santana do Livramento.

– A possível explicação para o crescimento dos índices de comportamento suicida entre as mulheres é o ambiente de trabalho competitivo e estressante. O fato de que as mulheres estão atuando em profissões que historicamente havia predominância de homens também contribui. Essa presença mais relevante numericamente acaba influenciando nas estatísticas – explica o palestrante da Caravana, Rafael Moreno Ferro de Araújo.

Com relação ao alcoolismo, a bebida deixa a pessoa com juízo crítico reduzido, contribuindo para a tomada de decisões ou para um comportamento que não teria, caso estivesse sóbria. Araújo destaca que, por trás do vício, existe um trauma ou uma decepção, fatores que podem agravar a depressão.
Quanto à bipolaridade, o palestrante destaca a importância da correta identificação e tratamento da doença para garantir o bem-estar do paciente.

– É comum confundir os sintomas da patologia com a depressão e, quando tratada com antidepressivos, pode gerar o efeito contrário, influenciando no suicídio – complementa Rafael Araújo.

A Caravana AMRIGS será realizada na Unimed Região da Fronteira (Avenida Vinte e Quatro de Maio). A entrada é gratuita para profissionais da saúde e comunidade em geral. Mais informações podem ser obtidas através do telefone (55) 3242 9800.

Imagem ilustrativa.

Por: Lauren Trindade/Laurentrindade@jornalaplateia.com

Grupo Aplateia